Mensagem

Cadastre-se você também, ja somos 46 brothers no Clube Vip *****

RESERVADO PARA SUA PUBLICIDADE

Calendario

20 de setembro de 2014

TEATRO DE MRIONETES

A aplicação da lei da Ficha Limpa tem demonstrado que os candidatos impugnados mantêm-se na disputa através de familiares, na maioria das vezes as esposas, para exercer o cargo para o qual foram vetados de forma indireta.

É um truque que não encontra antídoto na legislação e que, na prática, burla o espírito do que pretendeu o legislador ao aprovar a restrição a quem já registra uma condenação por colegiado, ou seja, em segunda instância.

O recurso tem sido farto em exemplos, alguns de maior repercussão pela notoriedade dos candidatos, casos de Joaquim Roriz no Distrito Federal, em 2010, quando impôs à esposa, Weslian Roriz, um dos capítulos mais ridículos e constrangedores em campanhas políticas.
Até hoje circulam na Internet os vídeos da ex-quase futura primeira dama, alçada à condição de candidata, nos debates locais, nos quais não falava coisa com coisa, não entendia o que lhe era perguntado, pedia para que fossem repetidas as perguntas e quase sempre respondia sobre outro tema – não para tangenciar a questão, mas por não saber mesmo do que estava tratando.

Weslian Roriz teve 32% dos votos, o que merece uma pausa para reflexão. Sua força eleitoral provinha do marido, que governou Brasília por quatro vezes – a primeira, por nomeação do então presidente José Sarney, as demais em eleição direta.

Roriz deu origem aos problemas de lotamentos ilegais na Capital, distribuindo terras e promovendo uma migração sem antecedentes na política barsileira, para a formação de currais na periferia de Brasília que lhes são fiéis até hoje.

Nos governos do PT que se seguiram, no rastro da banalização da ocupação periférica, os condomínios irregulares no Plano Piloto formaram uma extensão dos loteamentos à classe média, institucionalizando a politização da gestão territorial, até hoje uma dor de cabeça para o Estado e para os beneficiários.

Roriz tentou sem êxito garantir sua candidatura nas instâncias judiciais superiores, a exemplo de seu discípulo, José Roberto Arruda, que renunciou  à candidatura em favor de Jofran Frejat, ex-secretário de Saúde de seu governo anterior, interrompido pela cassação que deu causa à atual impugnação.
Flavia Arruda

Mas Arruda garantiu o lugar de vice na chapa à sua mulher, Flávia, cuja biografia política se resume ao de companheira solidária no calvário que se seguiu à deposição do marido. O mais incrível é que, mesmo diante da ostensiva manobra, anunciou que seu gesto deve ser interpretado como o fim de sua carreira pública.

Dois outros candidatos foram pelo mesmo caminho. Neudo Campos (PP), ex-governador de Roraima, renunciou em favor de sua mulher, sem esconder que pretende governar através dela. Foi explícito: “Serei sua sombra no governo”, disse com a desfaçatez dos cínicos. Campos foi condenado em dois processos distintos, em duas instâncias.

José Riva (PSD), candidato em Mato Grosso, tentou até o limite manter a candidatura, mas vencido no Tribunal Superior Eleitoral, colocou a mulher, Janete, em seu lugar e fará a campanha com ela. Riva é um recordista: condenado por improbidade administrativa quatro vezes , em segunda instância, chegou a ser preso durante a Operação Ararath por suposto envolvimento em um esquema de lavagem de dinheiro por meio de factorings.

Passou três dias no Complexo da Papuda, em Brasília, e depois foi solto.

Aparentemente, a garantia constitucional dos direitos individuais desautoriza ideias de extensão do veto a parentes, para impedir que, na prática, o condenado governe. Afinal condenações não são extensivas a familiares que não tenham participado daquilo que lhes deu causa.

Mas é preciso encontrar uma fórmula que, preservando o direito constitucional, evite a burla da legislação. Talvez um veto parcial, que impeça a substituição do titular da chapa, impedido judicialmente de concorrer, por parente até o terceiro grau naquele pleito para o qual a Ficha Limpa gerou seus efeitos.

Em um país em que a política se caracteriza pelas oligarquias familiares, o método  de substituição do candidato punido representa, na prática, a revogação da Ficha Limpa.
Os governos eleitos por esse método instalam no país a política de marionetes – como no criativo teatro de cordéis em que os personagens são bonecos manipulados por trás das cortinas. (Estadão)


Sábado, 20 de setembro, 2014.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.