Mensagem

Cadastre-se você também, ja somos 46 brothers no Clube Vip *****

RESERVADO PARA SUA PUBLICIDADE

Calendario

28 de abril de 2017

SINDICALISTAS BLOQUEIAM DIVERSAS VIAS DO DF NA MANHÃ DESTA SEXTA 28




O brasiliense, que já não pode contar com os serviços do transporte público nesta sexta (28), começou o dia enfrentando bloqueios em importantes vias da capital. As pistas de acesso ao Aeroporto Juscelino Kubitschek foram interditadas por um grupo de manifestantes, que colocou fogo em pneus para evitar a passagem dos motoristas.

De acordo com a Polícia Militar, cerca de 300 pessoas fizeram barricadas nos dois sentidos da pista. O Corpo de Bombeiro também foi acionado para apagar o fogo e liberar as vias. Até que os manifestantes fossem contidos, passageiros precisaram descer dos carros e seguir para o aeroporto a pé. As pistas já foram liberadas.

Segundo a Inframerica, quatro voos sofreram atraso e três foram cancelados por conta das manifestações da greve geral, convocada contra as propostas das reformas Trabalhista e da Previdência.

As outras vias que estão interditadas por manifestantes são a BR-070, que liga Águas Lindas ao Plano Piloto; BR-020, de Sobradinho a área central da capital; BR-040, que vem do Valparaíso; e Estrada Parque Núcleo Bandeirante.

Paralisação

O Sindicato dos Rodoviários e dos Metroviários do Distrito Federal (SindMetrô/DF) confirmaram adesão à paralisação nacional. Durante toda esta sexta, não haverá circulação de ônibus e metrô. Os brasilienses estão recorrendo ao uso do transporte pirata para chegar ao trabalho nesta manhã.

Bloqueios no Eixo

As vias nos dois sentidos da Esplanada dos Ministérios estão interditadas, durante todo o dia, da altura da Rodoviária do Plano Piloto até o Balão do Presidente, na avenida L4 Sul. O bloqueio faz parte de um esquema de segurança, segundo a Secretaria de Segurança Pública. Os estacionamentos dos Ministérios e das vias N1 e S1 também estão fechados.
Sexta-feira, 28 de abril, 2017 as 10hs30


POPULAÇÃO DESEMPREGADA ATINGE 14,2 MILHÕES DE PESSOAS, REVELA IBGE
 

O Brasil registrou novo patamar recorde de 14,2 milhões de pessoas desempregadas no trimestre encerrado em março de 2017, dentro da série histórica da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua), iniciada no primeiro trimestre de 2012 pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O resultado divulgado nesta sexta-feira, 28, revela que há mais 3,087 milhões de desempregados em relação a um ano antes, o equivalente a um aumento de 27,8%. Ao mesmo tempo, o total de ocupados caiu 1,9% no período de um ano, o equivalente ao fechamento de 1,692 milhão de postos de trabalho. Aos 88,947 milhões de pessoas, a população ocupada atingiu o menor patamar desde o trimestre encerrado em abril de 2012.

Como consequência, a taxa de desemprego passou de 10,9% no trimestre até março de 2016 para 13,7% no trimestre até março de 2017 - também a mais alta já registrada na série histórica da pesquisa.

A taxa de desemprego só não foi mais elevada porque 574 mil brasileiros migraram para a inatividade no período de um ano. O aumento na população que está fora da força de trabalho foi de 0,9% no trimestre encerrado em março ante o mesmo período de 2016.

O nível da ocupação, que mede o porcentual de pessoas ocupadas na população em idade de trabalhar, foi estimado em 53,1% no trimestre até março, o mais baixo de toda a série histórica.

Carteira assinada

O mercado de trabalho brasileiro perdeu 1,225 milhão de vagas com carteira assinada no período de um ano. O total de postos de trabalho formais no setor privado encolheu 3,5% no trimestre encerrado em março de 2017, ante o mesmo período do ano anterior, segundo os dados da Pnad Contínua.

O contingente de trabalhadores com carteira assinada no setor privado encolheu para 33,406 milhões de pessoas no trimestre até março, o menor patamar da série histórica da pesquisa.

Já o emprego sem carteira no setor privado teve aumento de 4,7%, com 461 mil empregados a mais. O total de empregadores cresceu 10,8% ante o trimestre encerrado em março de 2016, com 403 mil pessoas a mais. O trabalho por conta própria encolheu 4,6% no período, com 1,074 milhão de pessoas a menos nessa condição.

Houve redução ainda de 162 mil indivíduos na condição do trabalhador doméstico, 2,6% de ocupados a menos nessa função. A condição de trabalhador familiar auxiliar cresceu 0,5%, com 10 mil ocupados a mais. (AE)

Sexta-feira, 28 de abril, 2017 as 10hs30

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.