Mensagem

Cadastre-se você também, ja somos 46 brothers no Clube Vip *****

RESERVADO PARA SUA PUBLICIDADE

Calendario

25 de junho de 2016

EX-PRESIDENTE DA ANDRADE GUTIERREZ CONFIRMA A MORO EXTORSÃO DE GIM ARGELLO




O ex-presidente da Andrade Gutierrez e delator da Lava Jato, Otávio Marques de Azevedo, disse quinta-feira, 23, em depoimento ao juiz Sérgio Moro que ‘sem dúvida’ o ex-senador Gim Argello (ex-PTB/DF) pediu a ele doação a políticos em troca de proteção aos empreiteiros nas CPIs da Petrobrás no Congresso, em 2014.

Em seu depoimento perante o juiz da Lava Jato, o delator contou que nos dois encontros que teve em 2014 com o ex-senador, preso na 28ª fase e réu na Lava Jato, foram tratadas de ‘contribuições especiais’ da Andrade e de outras empreiteiras para o grupo de Argello. Ele afirmou que não foi tratado explicitamente de qualquer proteção na CPI, mas ao ser indagado por Moro sobre o motivo que o fazia não ter dúvidas que os repasses envolviam a proteção aos empresários Otávio respondeu:

“Considerando que já tínhamos um plano de doação para o PMDB e o PTB, partidos que eles (Gim Argello e Vital do Rêgo, na época senador e que participou do primeiro encontro com o empresário e Gim) representavam e que haveria contribuição já planejada para o PMDB e ao PTB, não via razão para outro tipo de contribuição, quanto mais para um grupo que eu não conhecia”, disse.

O empreiteiro afirmou ainda que nem queria saber para qual grupo político que era a doação solicitada e indagou “porque eu iria fazer contribuição para um grupo político? Só podia ser assim um grupo político que desse sustentação a ação política de uma agenda da CPI, foi a nossa conclusão (dele e de outros executivos da Andrade), não foi por causa de nenhuma outra vinculação”, contou.

Ele disse ainda que, apesar de ter participado das primeiras reuniões com os grupos de empresários e políticos, a Andrade acabou não entrando no esquema e não fazendo os pagamentos

O depoimento do empreiteiro foi tomado na ação penal contra Argello e outros réus, incluindo o ex-presidente da OAS Léo Pinheiro, pelo pagamento de propinas de ao menos R$ 5,3 milhões em forma de doações eleitorais e até doação para uma paróquia ligada ao ex-senador para evitar a convocação de empreiteiros nas duas CPIs da Petrobrás no Congresso em 2014. Naquele ano, as duas comissões encerraram os trabalhos sem ter ouvido nenhum dos empresários das empreiteiras investigadas na Lava Jato.

As investigações indicam que ao menos a OAS e a UTC acertaram os pagamentos, sendo que parte da quantia foi repassada via doações oficiais para os partidos da coligação de Argello nas eleições de 2014 – formada por DEM, PR, PMN, PRTB e PTB. O Ministério Público Federal não acusa nenhum dos partidos da coligação de irregularidades pois, segundo os investigadores, não há provas de que eles tinham conhecimento de que o pagamento era decorrente dos crimes de Argello.

Parte da propina teria sido entregue ainda em dinheiro vivo para Argello, incluindo uma parcela em euros e outra parte ainda teria sido destinada como doação de R$ 350 mil para uma paróquia de Brasília.

A OAS e a UTC não comentam investigações em andamento. A reportagem enviou e-mail e entrou em contato com o escritório que defende Argello, mas ainda não obteve retorno. (AE)

Sábado, 25 de junho, 2016

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.