Mensagem

Cadastre-se você também, ja somos 46 brothers no Clube Vip *****

RESERVADO PARA SUA PUBLICIDADE

Calendario

23 de novembro de 2013

TUDO COMEÇOU EM MOSSORÓ



Dizem que nós, os filhos do “país de Mossoró”, somos extremamente bairristas e há até os que pensam que, além disso, somos metidos; queremos ser mais do que somos. É uma tremenda inverdade e injustiça que fazem com os que nasceram na terra de Santa Luzia de Mossoró, assim como eu.

Vejamos um fato concreto: a eleição de Dilma Rousseff para presidente da República, Há dois aspectos a considerar. Primeiro não votei nela, até porque concordo com seu aliado, o piroquete, irrequieto e agitado Ciro Gomes: o José Serra é muito mais capaz e preparado para dirigir o Brasil.

 Depois os votos mossoroenses não eram suficientes para leva-la ao Palácio do Planalto.

Apesar de todas essas considerações, repito o título deste artigo: tudo começou em Mossoró. A base foi a Lei Estadual nº 660, de 25 de outubro de 1927, que fez do Rio Grande do Norte o primeiro a estender o direito do voto às mulheres. Um mês depois, no dia 25 de novembro de 1927, o nome de Celina Guimarães Vianna, foi incluído na lista de eleitores da Cidade de Mossoró. O acontecimento teve repercussão até no exterior, pois ela não somente era a primeira eleitora do Brasil, mas, também, da primeira eleitora da América do Sul.


Desde o inicio do século passado que as mulheres lutavam para conquistar o direito do voto. Muitas combateram essa luta democrática, muitas enfrentaram resistências veladas, grosseiras e até ataques físicos.

Talvez por isso, após conquistar o seu status de eleitora Celina, que até então não tivera nenhuma atuação política, passou a fazer proselitismo pela participação da mulher nas escolhas eleitorais.

Ao receber a confirmação de sua inscrição eleitoral, Celina telegrafou ao presidente do Senado Federal requerendo que todas as mulheres tivessem o mesmo direito. Elaborou um panfleto e o distribuiu na cidade, convocando todas as mulheres para que fizessem suas inscrições no cartório eleitoral e para que votarem, fazendo ver que tal ação contribuía para o progresso da cidade, do Estado e do país.


Celina Guimarães era filha de José Eustáquio de Amorim Guimarães e Eliza de Amorim Guimarães. Nasceu em 1890 em Natal, onde estudou e concluiu o curso de professorado na Escola Normal, onde conheceu Elyseu de Oliveira Viana, um jovem estudante – mas tarde advogado e também professor –, com quem se casou. Mudou-se para Mossoró em 1914.

 Como educadora, utilizava o teatro como forma de despertar o interesse dos alunos (como substituto da palmatóra, instrumento de uso generalizado na época). Ela mesma redigia e dirigia as peças, desenhava e criava os figurinos. “Por essa e outras iniciativas pedagógicas, Celina foi incluída no Livro de Honra da Instrução Pública, um reconhecimento pelos bons serviços prestados ao Estado” – diz Semira Adler Vainsencher, pesquisadora da Fundação Joaquim Nabuco, do Recife.


Nós mossoroenses somos acostumados com as mulheres na política, quer nos bastidores, quer na linha de frente. Há quase quinze anos o “o país de Mossoró” é dirigido por prefeitas. Há oito anos o Rio Grande do Norte é dirigido por uma mulher, Wilma de Faria, uma mossoroense. Agora vai ser governado por outra mulher, Rosalba Ciarline, também mossoroense, que já foi prefeita de nossa cidade e senadora da República.

A cidade de Natal é dirigida por uma prefeita, assim como várias outras do interior.
Dilma não é mossoroense nem norte-rio-grandense.

Mas para chegar lá, foi preciso que dona Celina Guimarães Viana lutasse a luta que ela lutou, em nome de todas as mulheres brasileiras.


Sábado, 23 de novembro 2013

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.